Prazo termina para Lula se entregar e PF inicia negociação com advogados

0

Terminou às 17h (horário de Brasília) desta sexta-feira (6), o prazo dado pelo juiz federal Sergio Moro para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se entregasse na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Juristas esclarecem que a decisão de Lula não representa um desrespeito à decisão judicial, uma vez que a apresentação dele às 17h era uma oferta, que o ex-presidente poderia ou não aceitar. Agora, a PF e o juiz Sérgio Moro decidirão quando o mandado de prisão será cumprido.

O ex-presidente Lula ainda não se pronunciou sobre o que irá fazer. Ele tinha até as 17h desta sexta para se apresentar à Polícia Federal.

Com a ordem de prisão, expedida ontem (5), Lula está no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP) desde às 19h dessa quinta-feira. O ex-presidente reuniu-se com lideranças do partido e seus advogados. Do lado de fora, militantes fazem uma vigília em apoio a Lula.

Em Curitiba, o delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula informou que estava negociando com a defesa do ex-presidente para que ele se apresentasse. De acordo com o delegado, não está descartada o prosseguimento da negociação mesmo após o fim do prazo estabelecido pela Justiça.

O delegado disse que a intenção é evitar confrontos, já que o ex-presidente está no sindicato cercado por apoiadores. Igor de Paula acrescentou que é remota a chance de a Polícia Federal entrar no sindicato para prender o ex-presidente.

Senadora Regina Sousa se solidarizando com Lula

Atualizada às 16h50

O presidente do PT no Piauí, Assis Carvalho, que está na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou agora há pouco ao Cidadeverde.com que a decisão do ex-presidente Lula é permanecer no local.

Assis Carvalho e a senadora Regina Sousa estão em São Paulo e estiveram com o Lula se solidarizando com o petista.

“A gente fica pra baixo com essa decisão, mas quando fala com Lula fica pra cima. É tanta energia que nos anima”, informou Assis Carvalho por telefone.

Ele informou que neste momento Lula estava reunido com seus advogados e depois terá uma reunião com a bancada do partido.

“Lula está respondendo pelo ódio de Moro, é um preso político e perseguindo. Quem quiser prendê-lo terá que vim buscar ele aqui”, disse o petista.

Ele disse que o clima é de revolta e apreensão e que permanecerá em vigília no Sindicato dos Metalúrgicos.

Segundo Assis, há previsão do Lula falar para os manifestantes e para a imprensa.

Atualizada às 16h10

Em contagem para o cumprimento da decisão do juiz Sergio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mantém a decisão de permanecer na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. O médico Gustavo Johnen informou que o ex-presidente está “abatido” e com pressão alta.

A imprensa nacional relata que Lula está na sala 207, no segundo andar do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. Por volta das 15h, o médico Gustavo Johnen faz o pedido: “Tragam um desfibrilador”. “Ele está muito emocionado, é diabético e a pressão está alta”, disse o especialista.

 

Atuliazada às 15h30

Na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, onde passou a noite, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mantinha a decisão de não se entregar à Polícia Federal (PF) em Curitiba. O petista está no local, em São Bernardo do Campo (SP), na companhia dos filhos, amigos e dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT). A expectativa é que ele permaneça lá durante todo o dia.

A senadora Regina Sousa também participa da vigília no Sindicato dos Metalúrgicos. Ela conversou com Lula e permanece no local.

No despacho em que determinou a prisão, o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava-Jato na primeira instância, concedeu ao ex-presidente Lula a possibilidade de se entregar voluntariamente, dando, para isso, o prazo de 17h desta sexta-feira. No entanto, o ex-presidente montou toda uma estratégia para transformar sua prisão em um grande fato político e se tornar protagonista do ato da prisão.

O petista combinou manter uma equipe de fotógrafos e videastas particulares em São Bernardo (SP) para que toda a ação da Polícia Federal seja registrada, de forma a espalhar as imagens para o mundo e ter o controle de parte do roteiro da prisão. Ele acredita que, dessa forma, se tornará, efetivamente, uma grande vítima de um sistema que está punindo um inocente.

Delegados da Polícia Federal (PF) descartaram o envio de agentes ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo para prender Lula. Segundo eles, uma ação desse tipo poderia acabar em confronto e colocar em risco a vida de pessoas.

A Polícia Militar do Paraná intensificou a presença na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba na tarde desta sexta-feira, 6. Os policiais começam a se posicionar no estacionamento do prédio da PF. Na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, onde o ex-presidente está desde a madrugada desta sexta-feira, 6, há policiais miliares espalhados pelas ruas do entorno.

Ainda não há indicativo oficial se o ex-presidente irá ouo não se entregar. Ele está reunido com advogados e conselheiros para decidir o que fazer com o discurso e com o fim do prazo de sua entrega.

Fonte: Cidade Verde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here