Hospitais estaduais do Piauí estão funcionando normalmente

0
Foto: Divulgação

Os hospitais estaduais do Estado do Piauí ainda continuam com todos os seus serviços funcionando normalmente. A informação foi divulgada na manhã desta segunda-feira (28), pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) e pela Fundação Piauiense de Serviços Hospitalares (Fepiserh).

Entretanto, a assessoria de comunicação da Sesapi informou que se a greve dos caminhoneiros persistir, os hospitais poderão começar a ter os serviços comprometidos, pois o estoque de insumos e medicamentos são suficientes para cinco a sete dias. Além disso, os três itens em que se encontram em situação crítica são o combustível para as ambulâncias, oxigênio e gêneros alimentícios.

A Fepiserh listou os hospitais que são de sua responsabilidade e informou que um novo comunicado será feito se ocorrer a interrupção de algum atendimento.

  • Foto: Divulgação/ Fepiserh

  • Comunicado enviado pelo Fepiserh

Confira a nota da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí:

Apesar da greve dos caminhoneiros, que está afetando o abastecimento de combustível em todo país, o secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, tranquiliza a população e garante os atendimentos na rede hospitalar estadual até os próximos 7 dias, caso não haja mudança no movimento nacional. A garantia do atendimento foi apresentada hoje, 28, durante reunião do Comitê Estadual, no Palácio de Karnak, instituído para acompanhar e monitorar os serviços essenciais do Governo do Estado.

Com 35 unidades hospitalares, tanto no interior como na capital, a Secretaria de Saúde tem estoque de insumos e medicamentos suficientes para os próximos dias, assim distribuídos: em alguns hospitais, estoque suficiente para 5 dias e em outros, para 7 dias. “Há hospitais em que a situação é mais confortável, que têm um abastecimento para 10 ou 15 dias”, afirma o secretário.

Três itens estão em pontos críticos de fornecimento: combustível para ambulâncias, oxigênio e gêneros alimentícios. No entanto, os grevistas estão liberando os caminhões para que seja feito o fornecimento. “Nós reconhecemos que os grevistas e as lideranças têm permitido a passagem de caminhões. Com a comprovação, por meio das notas fiscais, que o carregamento se dá em razão de medicamentos, insumos hospitalares ou oxigênio, o que nos dá uma tranquilidade”, explica Florentino.

Até o momento, não houve cancelamento de procedimentos eletivos, como consultas, exames e cirurgias eletivas, assim como as de urgência e emergência, afirma Florentino Neto, que relata também que “em alguns estados, já houve a suspensão dos hospitais públicos das cirurgias eletivas, priorizando os serviços de urgência e emergência. Inclusive, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde já manifestou preocupação do desdobramento para os serviços de saúde”.

O monitoramento dos serviços de saúde está sendo feito por uma equipe de técnicos da Secretaria, que vem atuando desde o final de semana, tanto para garantir o fornecimento por parte das empresas, como orientando os gestores dos hospitais, coordenadores regionais e a parte administrativa, para que os serviços de urgência e emergência sejam priorizados.

Fonte: GP1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here