Comissão confirma mudança que deixa regra da pensão mais dura

0
A comissão especial da reforma da Previdência (PEC 6/19) rejeitou, por 30 votos a 19, a criação de regras especiais de aposentadoria para guardas municipais e peritos criminais.

A comissão especial da reforma da Previdência manteve uma regra mais dura para pensão por morte, que permitiria que mais pessoas recebem menos que um salário mínimo (R$ 998). A versão original da proposta de reforma da Previdência previa uma fórmula de cálculo da pensão que poderia reduzir o benefício para valores abaixo do salário mínimo.

A fórmula prevê o pagamento de 60% do benefício mais 10% por dependente adicional.

O relator da proposta na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), alterou o texto e fez uma ressalva: se a pensão for a única renda do dependente, não poderá ser menor que o salário mínimo. Com isso, uma viúva desempregada, mas com filhos que trabalham e são dependentes da pensão, teria direito ao mínimo.

No entanto, na última versão apresentada por Moreira, nesta semana, houve uma nova mudança. Agora, o piso de um salário mínimo vale apenas se a pensão for a única renda de todos os dependentes. A viúva do exemplo citado acima, portanto, poderia receber menos que o salário mínimo.

Partidos de oposição ao governo tentaram derrubar esse item da reforma, mas foram derrotados. O texto-base da proposta foi aprovado por 36 votos a 13, mas ainda precisam ser votados os chamados destaques – pedidos de partidos e deputados para que uma parte específica da proposta seja analisada separadamente.

O objetivo do presidente da comissão especial, Marcelo Ramos (PL-AM), é concluir a votação dos destaques na noite desta quinta-feira (4) ou na madrugada de sexta (5). Assim, a reforma da Previdência segue para o plenário da Câmara, onde a votação é mais difícil.

Por ser uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), a reforma precisa do apoio de 308 dos 513 deputados no plenário -três quintos da Casa.

 

 

Fonte: FolhaPress

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here